qssp

Estão, mais uma vez, no itinerário de nosso viver em Cristo, a Quaresma, Campanha da Fraternidade, Semana Santa e Páscoa.

Talvez o convívio social rotineiro não favoreça o desejável envolvimento espiritual. Mas o povo, fiel ao Deus de Jesus Cristo, vive suas tradições na fé com piedade e convicções. Igrejas lotadas. Cerimônias e procissões concorridas. A Sexta-feira Santa é sempre marcante, a despeito das reclamações hostis do “estado laico” e dos acomodados na indiferença, descrença ou no consumismo do feriadão. O direito constitucional ampara manifestações religiosas públicas. A procissão do Senhor Morto espraia-se nas ruas. A Semana Santa resgata, todos os anos, também no calendário civil, a espiritualidade cristã, que vem forjando a história brasileira.
Junto ao Cristo, o servo sofredor, profetizado por Isaías, a imagem de Nossa Senhora das Dores projeta a figura exemplar daquela mulher bíblica, a nova Eva, ao lado do novo Adão, na via humilde da fé e da confiança em Deus. A agonia e morte de Jesus, a descida do cadáver da cruz, seu sepultamento às pressas, os três dias no túmulo exigiram de Maria o auge da entrega a Deus. Ela atingiu a plenitude do sim, que dera como noiva-donzela, em resposta ao misterioso anúncio do Arcanjo Gabriel. Quando teve a revelação particular em Nazaré, Maria foi sócia única de Deus gerando o Verbo em seu seio virginal. Aos pés da cruz, foi sócia na solidão extrema de Jesus. Acolhendo o cadáver dele em seu regaço, a mãe chegou ao máximo grau de solidariedade com a missão do Filho, ambos em obediência ao Projeto do Senhor. Mulher bíblica da salvação, nova Eva, Maria viveu, no sim do Calvário e na soledade, após o enterro de Jesus, a expulsão do paraíso. A espada de dor rasgou seu coração; o sim da fé o curou!

Com seu auxílio maternal, a Semana Santa nos dá a chance de confrontar os aspectos éticos perturbadores da convivência moderna com os valores do Evangelho. Como vivemos? Estamos interessados em atualizar a história e acolher os frutos de nossa salvação em Cristo? Atualizar significa fazer valer, avaliar a importância real da vida espiritual em relação às demais ocupações e tarefas do dia a dia. Ressuscitar com ele! A Campanha da Fraternidade nos ajuda a concretizar isso com o tema: Fraternidade e Políticas Públicas. Toca em feridas coletivas: por que o Brasil convive, historicamente, com tantas carências de bens e serviços básicos indispensáveis à vida, à cidadania, à democracia? Qual é o sentido de se falar em justiça social?
Maria, a discípula primeira, encontrou na peregrinação da fé a suprema razão de viver e é ícone de uma igreja-solidária. Igreja que passa das dores às alegrias da Páscoa do Senhor. Aleluia!

Pe. Clayton Sant'Anna, C.Ss.R
Missionário Redentorista

Fonte: a12.com

Paróquia Sant'Ana de Itaúna

Praça Dr. Augusto Gonçalves, 344 - Centro
CEP.: 35.680-054 ITAÚNA-MG
Telefone: (37) 3242-3641
E-mail: contato@paroquiadesantana.com.br

Expediente Paroquial

Atendimento da Secretaria:
De Segunda-feira a Sexta-feira de 7:30h às 17h30

Atendimento dos Padres:
De Terça-feira a Quinta-feira: 8h30 às 10h | 14h às 16h